segunda-feira, junho 25, 2007

Destilando meu veneno...

É hoje que eu vou ser processada por vilipêndio à religião alheia (inclusive, aquela em que fui criada!).

O negócio é o seguinte: estou sozinha em casa, segunda-feira à noite, sem pai, sem mãe (ambos já morreram), o idiota do meu ex resolveu me largar na fase terminal da doença da minha mãe, e eu acabei de descobrir que o cara de quem eu estava afim está, na verdade, atirando pra todo lado, e não propriamente interessado em mim!

Pra me "ajudar", uma "amiga" insiste em me dizer que eu tenho que "rezar" e "pedir a Deus" que me mande o "companheiro certo".

Agora vem a parte do vilipêndio à religião: se esse tal de Deus existe, e todo mundo diz que é "onipresente" (está em todo lugar), onisciente (conhece tudo) e onipotente (pode tudo) por quê eu tenho que ficar "pedindo" e lembrando esse cara de que eu estou sofrendo e quase ficando louca de solidão?

Dá pra alguma pessoa sóbria me explicar? Sim, porque eu cheguei à conclusão de que religião é coisa de quem está fora do juízo perfeito...

3 comentários:

Ilka disse...

Como já dizia não-sei-quem: " A religião é um dos maiores negócios que já criaram" .

Milena disse...

É isso mesmo! Mas algumas religiões conseguiram, ainda, fazer coisas razoáveis. Tenho que convir que o catolicismo e a religião cristã ortodoxa trouxeram ao mundo muitas obras de arte, bem como o hinduísmo, o xintoísmo ou o budismo (que eu considero mais uma doutrina filosófica do que uma religião).

Ou seja, elas só servem para produzir obras de arte... :-S

Solageral disse...

Olá Milena. Passeando pelo Fórum Portal do Espírito encontrei seu Blog. Faz um tempão que você não dá as caras por lá. Espero que você esteja conseguindo sanar suas dúvidas.
Aparece por lá qualquer hora.
Abraço!